sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Now Sem Rumo - O Estado de São Paulo - 1988



Now Sem Rumo de Lor (Luiz Oswaldo Carneiro Rodrigues) foi criada em 1983 para o Diário da Tarde de Belo Horizonte.

Conta a história de uma nave espacial, metáfora de nosso planeta, dividida em duas partes que lutam entre si. Em tempos de abertura política, criticava, principalmente, a ditadura militar.

Passou a ser publicada no Estado de Minas e posteriormente em todo o Brasil, distribuída pela agência Funarte.

Teve dois livros publicados em 1986 pelo autor e um em 1990 pela editora Melhoramentos (Tristes Rumos Tristes Fins).




Abaixo os dois livros da série publicados por Lor.




quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Afagos Amargos - O Estado de São Paulo - 1988




Afagos Amargos, por Marcio Pitliuk (roteiro) e Newton Foot (desenhos), estreou no jornal O Estado de São Paulo em 1988 retratando todo o desencanto da geração dos anos 1980.

Participavam da série personagens como: J. Bitterman, Linda Bitter, Almir F. e Vivi Hot.

Pitliuk retornava às tiras diárias depois de 15 anos da criação de Leopoldo para a Folha de São Paulo.

Newton Foot foi escolhido como desenhista após um anúncio no próprio jornal que pedia um autor de traço moderno.




quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Eva - O Estado de São Paulo - 1987




Michele Iacocca, italiano radicado no Brasil, criou a personagem Eva em 1968 para a revista Claudia da editora Abril. Eva reapareceu em 1973 num livro da Massao Ohno

Em meados dos anos 1980 começou a ser publicada no jornal O Estado de São Paulo, dessa vez no formato de tiras diárias.

Outros personagens da série são, obviamente, Adão e a serpente.

Eva foi lançada em livro também pela editora Melhoramentos (Capitu e outras evas; 1988).




terça-feira, 28 de outubro de 2014

As mil e uma noites - Jornal do Brasil - 1982



Criada inicialmente, por Paulo Caruso e Xalberto, para o jornal do teatro Lira Paulistana em 1981, As Mil e Uma Noites comentavam a cena cultural e noturna de São Paulo.


No ano seguinte, já sob o comando exclusivo de Paulo, a série tornou-se uma sátira de costumes e passou a ser publicada no Jornal do Brasil e posteriormente, com distribuição da Agência Funarte, em jornais de todo o país, incluindo a Folha de São Paulo.

A tira saiu em livro pela editora Circo em 1985 e em 2007 pela L&PM.



A tira quando publicada no jornal Lira Paulistana.


segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Fogaça - Diário do Paraná - 1974





Criado por Maurício de Souza em 1967, Fogaça era um garotinho que enfrentava problemas típicos da sua idade, como aulas de piano e aparelho nos dentes.

A tira não levava assinatura, mas podemos incluí-la no portfólio da Maurício, pois continuava a ser distribuída em 1974.

Apesar de atribuí-la ao desenhista Maurício de Souza, podemos observar na obra uma grande influência do cartunista Luscar, que na época prestava serviços aos estúdios de Maurício.






sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Boa Bola - Diário do Paraná - 1974



Criado em 1964 por Maurício de Souza, Boa Bola era um personagem que transitava pelo mundo dos esportes, principalmente o futebol. Às voltas com jogadores, juízes e cartolagem, Boa Bola foi muito popular nos anos 1960.

Publicado em vários jornais, entre eles o Diário da Noite e o Diário do Paraná, fez parte também da revista Piteco, lançada em 1966 pela editora FTD para ser distribuída no VI Salão da Criança.

Participando de esportes aquáticos, Boa Bola acaba se perdendo no mar, gerando uma série de piadas de ilha.

Infelizmente o personagem está um pouco esquecido pelo autor e não é mais produzido.



quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Os Chopnics - Última Hora - 1969




De acordo com Ionaldo Cavalcanti (O Mundo dos Quadrinhos; editora Símbolo; 1977), Os Chopnics são "tiras diárias criadas por Jaguar (Sergio Jaguaribe), satirizando os pseudo intelectuais frequentadores dos bares de Ipanema, publicadas desde 1966 no Globo e no Pasquim como propaganda da cerveja Skol. Entre os personagens, BD, um típico intelectual de mesa de bar que por conta de seu delirium-tremens, passa a criar um ratinho no ombro. BD mais tarde se tornaria o famoso Capitão Ipanema".

A tira passou a ser publicada a partir de 1969 no Última Hora carioca. O delírio de BD é o conhecido ratinho Sig que viria a tornar-se o símbolo do jornal O Pasquim e também teria um alter ego, Otar. O arqui-inimigo do Capitão Ipanema é o vilão Dr. Carlinhos Bolkan.




Segundo a Enciclopédia dos Quadrinhos (Goida / André Kleinert; L± 2011), Jaguar "explodiu no mundo dos comics quando, em 1967, para o Jornal do Brasil, começou a desenhar uma tira diária (a princípio patrocinada por empresa fabricante de cerveja e chopp), "Chopnics". Nessa série, desfilou toda a fauna ipanemense/carioca do fim dos anos 60 início de 70. O personagem principal era um intelectual que vivia num bar ("intelectual não vai à praia, intelectual bebe"). Tinha no ombro um ratinho, que ele chamava Sigmund (como Freud) e que estava lá desde o seu último "delirium-tremens". Sig (como foi abreviado seu nome) tornou-se uma figura conhecida no Brasil inteiro e acabou dominando por completo as tiras dos Chopnics, com seus traumas, megalomania e paixão delirante por Odete Lara, uma das deusas do cinema nacional na época".



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Fê e Fá - Jornal do Brasil - 1973


Fê e Fá, as formiguinhas do funda da terra. 

Série infantil criada por Miriam e Guidacci para o suplemento JBzinho, do Jornal do Brasil, em 1973. 

Muito antes dos filmes em computação gráfica da Dreamworks e outras produtoras, contava o cotidiano de um formigueiro, com um desenho sintético e espontâneo.

Era publicada semanalmente.




terça-feira, 21 de outubro de 2014

Bumbá, o boi - Jornal do Brasil - 1973


Bumbá, o boi, apareceu em 1973 no suplemento infantil JBzinho do Jornal do Brasil. A partir de 1975 tornou-se personagem fixo da revista O Bicho.

A série, criada pelo cartunista Coentro, contava com personagens do folclore como o Caipora e o próprio boi Bumbá. No princípio seguia a linha de histórias infantis, mas ao mudar-se para a revista O Bicho, assume um tom de crítica à indústria cultural e aos problemas criados pela urbanização.

Segundo a Antologia Brasileira de Humor (L&PM, 1976): João Carlos de Oliveira Coentro nasceu em 7 de setembro de 1949, no Rio de Janeiro. Iniciou profissionalmente em 1971, no jornal Última Hora (Caderno de Comunicação). Colaborou no Pasquim e em diversos jornais e revistas do país. Participou da Enciclopédia del Humor (Colômbia, 1975).

Coentro já é falecido.




Abaixo, Bumbá na revista O Bicho em 1975.



segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Bingo, o pequeno jornaleiro - A Noite - 1960



Aylton Thomaz criou para o diário carioca A Noite, as aventuras de Bingo, o pequeno jornaleiro, em 1960.

Contando as aventuras de um garoto simples de comunidade, que com sua perspicácia, desvendava todo tipo de mistério. Participavam das histórias o detetive João Aranha, a detetive Teresinha e o primo Pedrinho entre outros personagens.

Apesar do desenho caricatural, Aylton aplicava muito bem a pespectiva e a técnica da luz e sombra em seu trabalho.

Bingo foi publicado também no Última Hora de Porto Alegre alguns anos depois.