sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Professor Cebola - Folha de São Paulo - 1990


O cartunista Bertrand foi bastante atuante no início dos anos 1990.

Para o caderno Vestibular da Folha de São Paulo criou o Professor Cebola, fazendo graça com situações de sala de aula e ajudando a espairecer a dura jornada dos vestibulandos da época.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Adão Smith - Folha de São Paulo - 1990


Adão Smith foi criada pela cartunista Bertrand em 1990 para o caderno de economia da Folha de São Paulo.

Em óbvia alusão ao filósofo escocês do século XVIII, Adam Smith (1723 - 1790), comentava os episódios econômicos ocorridos na época.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Edifício Brasil - Modernidade - 1995


Seguindo a linha de Avenida Brasil, de Paulo Caruso, a série Edifício Brasil comentava os fatos políticos do Brasil nos anos 1990.

Criada por Luigi Rocco e Roberto Domício Melo era publicada na revista Modernidade.

Na figura acima podemos observar Fernando Henrique Cardoso, Delfim Neto e Pérsio Arida.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Turma do Orelhinha - 1987


A Turma do Orelhinha foi criada em 1987 pelo publicitário Adeir Rampazzo

Ancorada em uma série de tiras para jornais, tinha seu foco principal voltado para o o merchandising e o uso em produtos de vários tipos, como cartões sociais e meias infantis.

Segundo Rampazzo: "Faço personagens que tenham o poder de tocar na alma das crianças. Personagens que adquiram personalidade própria e, por isso, ganham vida longa. Uso uma linguagem infantil, mas que também acaba atingindo o adulto".

Da série participavam vários personagens além do próprio Orelhinha, como Mauka, um garoto briguento; Medoca, que tem medo de tudo e Cosquinha o cachorro do Orelhinha, que adoraria ser gente.

As tiras foram publicadas em vários jornais como o Correio Braziliense, a Gazeta do Povo, de Curitiba e a Folha Metropolitana, de Guarulhos.

Um dos principais roteiristas da série foi o cartunista Verde (Marcelo Barreto).



Anúncio promocional da Turma do Orelhinha.


segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Alles Blau - O Pioneiro - 1986


Criado pela cartunista Bier (Augusto Franke Bier) em meados dos anos 1980, Alles Blau ganhou seus contornos definitivos nas páginas do jornal O Pioneiro, de Caxias do Sul - RS, a partir de 1986.

Tratava-se de um imigrante de origem alemã que gostava mesmo é de viver de porre. Contracenava com sua esposa, seus animais e seus amigos, também bêbados.

Saiu em livro pela editora Sulina em 1989 (Alles Blau) e pela editora Jornal das Missões (Kerb do Blau).



sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Gomercindo - O Pioneiro - 1986


Tiras situadas nos pampas, com aventuras do gaúcho Gomercindo e sua "galinha desalmada", criadas por Luiz Carlos Fetter e Ernani Ssó (Ernani Ferreira da Fonseca Rosa).

Publicadas pelo O Pioneiro de Caxias do Sul no final dos anos 1980.

A série foi lançada em livro pela editora Sulina em 1989 (Adiós, Pampa Mía).



quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Sepé - Última Hora - 1963



Outra tira distribuída pela CETPA (Cooperativa Editora e de Trabalho de Porto Alegre), Sepé, figura histórica relacionada à  chamada Guerra Guaranítica e aos Sete Povos das Missões foi criado por Flávio Colin (1930 - 2002), com roteiros de Clima, e publicado pelo Última Hora gaúcho em 1963, durante o período de existência da cooperativa.

Teve revista própria também pela CETPA que durou apenas a primeira edição.

Sepé (Sepé Tiaraju) foi retomado posteriormente pelo próprio Colin, com roteiros de Luiz Rettamozo para a editora Grafipar nos anos 1980, mas com uma abordagem um pouco diferente.


quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Lupinha - Última Hora - 1963


Lupinha é mais um dos frutos do movimento pela nacionalização dos quadrinhos promovido pela CETPA.

Publicado em 1963 no jornal Última Hora de Porto Alegre e criado pelo cartunista argentino radicado no Brasil Aníbal Bendati (1930 - 2009), contava as aventuras bem humoradas de um detetive um tanto quanto atrapalhado.

Bendati nasceu em Bragado, Argentina, em 1930. Com 17 anos, começou a desenhar na revista Mundo Boquence, depois em Pobre Diablo, Argentores, Hechos en el Mundo e outras.

Convidado pelo desenhista Lan em 1957 veio ao Rio de Janeiro e, em primeiro de setembro, começou a trabalhar no Última Hora e, em fevereiro de 60, junto com seis colegas foi para o Última Hora gaúcho. Com o fechamento do jornal, fundaram o Zero Hora. Posteriormente, começou a trabalhar na Caldas Júnior até 74, quando começou a lecionar na Famecos, depois na Fabico até 92, onde se aposentou como professor.



terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Aba Larga - Última Hora - 1963



Retornando ao Brasil, depois de uma muito bem sucedida carreira nos quadrinhos argentinos, João Mottini se integra às fileiras da CETPA (Cooperativa Editora e de Trabalho de Porta Alegre) e começa a produzir a tira de aventuras Aba Larga, centrada nas operações da Polícia Montada do Rio grande do Sul.

A CETPA foi uma iniciativa do então governador Leonel Brizola para tentar fomentar a produção de quadrinhos nacionais, infelizmente sucumbiu rapidamente, sobrevivendo apenas até 1964.

João Batista Mottini (1923-1990) nasceu em Santana do Livramento. Iniciou muito cedo no desenho com incentivo do irmão mais velho. Em 1936, aos treze anos, o aprendizado autodidata de Mottini começou a ser notado. Em 1938 é admitido como desenhista aprendiz na equipe de arte da então poderosa editora Globo

Seus primeiros desenhos foram publicados no 1º Dicionário Enciclopédico
Ilustrado da Livraria do Globo. À partir daí trabalhou como funcionário da Globo ilustrando obras clássicas como Os Três Mosqueteiros, Dom Quixote, Robin Hood, Rei Arthur.

Em 1946 mudou-se para Buenos Aires, onde passou a ilustrar a revista semanal Patoruzitoa compor os “150 Famosos Artistas da Escola Panamericana de Artes”, ao lado de Hugo Pratt,
Alberto Breccia, Alex Raymond, Guilherme Roume, Arturo Del Castillo e outros tantos gigantes dos quadrinhos. Ele participou da chamada “Era de Ouro”, o auge da qualidade das historietas argentinas, com seus quadrinhos de aventura e faroeste.

Em 1960, como representante da Argentina, teve material selecionado e exposto até hoje no Museu do Louvre e no Museu de Washington.

Aba Larga foi publicado também em revista, durando três números, estes desenhados por Getúlio Delphin.


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

No Reino das Maravilhas - City News - 1984


Criada por Ivan Saidenberg para o jornal City News de Campinas - SP em 1984, No Reino das Maravilhas era uma crônica satírica aos conturbados anos de abertura política.

Da série participavam personagens que emulavam figuras públicas como o então presidente João Batista Figueiredo (rei Napo, o leão); o deputado Paulo Maluf  (Auauf, o cão) e o ministro Mário Andreazza (André Asa).

A imagens deste post foram tiradas do livro de Lucila Simões Saindenberg: Ivan Saindenberg, o homem que rabiscava, da Marsupial Editora.



sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Turma do Arrepio - 1989


Criada em 1989 por César Sandoval, A Turma do Arrepio veio alicerçada por forte campanha de merchandising, a qual incluía uma série de tiras diárias. 

Foi publicada em revistas pela editora Globo até 1993.

Em 1995 teve seu próprio programa na na rede Manchete. Em 2009 voltou a ser editada em revista pela editora As Américas

Colaboravam nas histórias, por meio do estúdio Sketch de César, os artistas Roberto Fukue, Ricardo da Silva, Moacir Rodrigues Soares e seus irmãos Irineu Soares Rodrigues e Verci Rodrigues de Mello nos desenhos, Marco Minoru Uesono e R. Valim na arte final e Sergio Raul Morettini nos roteiros e desenhos.

Participavam das tiras os personagens Medeia, a pequena bruxa; Draky, vampiro; Tuty, a múmia; Stein, pequeno Frankenstein; Luby, lobisomem; Belfedo, o morcego; Epitáfio, o zumbi; Seu Doroteu, o humano; Magnólia, a aranha e Dragmar, a "dragoa".

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Beto - Nova Escola - 1991


Criada para a revista Nova Escola, dirigida aos professores, da Fundação Victor Cívita em 1991, por Verdi (Carlos Alfredo Fernandes Verdasca) e Mendonça (João Vicente Mendonça), Beto era uma série que focava principalmente na vida escolar de algumas crianças.

O roteirista Verdi, professor da rede estadual paulista, capturava muito bem o espírito infantil.

Os autores já haviam publicado anteriormente a série Cia e Cia.



terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Os Novatos - Nova Escola - 1991


Nas palavras do autor Arthur Garcia (Arthur Garcia da Rosa): "Os Novatos foi uma série criada para publicação na revista Nova Escola, da Fundação Victor Civita.


Após ser indicado pelo Worney Almeida de Souza, juntamente com vários outros desenhistas, para propor séries que pudessem preencher a página de quadrinhos que passaria a fazer parte da revista, e que já contava com a tira Mafalda (de Quino), cedida gratuitamente, tive a minha amostra escolhida, juntamente com a da dupla Mendonça e Verdi.

A minha série, Os Novatos, girava em torno de um grupo de professores iniciantes, que eram fortemente calcados em pessoas que conheci durante o tempo em que fui professor do ensino estadual, com um humor as vezes ácido, que como me foi passado por um dos editores, foi o motivo de a mesma ter sido selecionada para publicação.

Esta experiência durou um ano ao final do qual, devido a uma mudança na parte editorial, foi mantida apenas a tira da Mafalda dentro de uma página de variedades".



segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Kid Senil e os Darkinhos - O Estado de São Paulo - 1986



Criticando a voracidade da indústria cultural que cria e aniquila celebridades da noite para o dia, Kid Senil e os Darkinhos foi criada por Luiz Gê em 1986 para as páginas do Caderno 2 do jornal O Estado de São Paulo.

Participavam das tiras, além dos titulares, Beth Canivete e o Presidente Reis.

Foi publicada também em livro pela editora Melhoramentos (Mal dos Séculos, 1998).




sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

O Amigo da Onça - Folha da Tarde - 1986

O Amigo da Onça por Jal e Altino Lobo.

O Amigo da Onça por Jal Morettini.

O Amigo da Onça é um personagem criado por Péricles de Andrade Maranhão (1924 - 1961) e publicado pela primeira vez na revista O Cruzeiro em 23 de outubro de 1943.

Satírico, irônico e crítico de costumes, O Amigo da Onça aparece em diversas ocasiões desmascarando seus interlocutores ou colocando-os nas mais embaraçosas situações. 

Após a morte do autor, em 1962, o personagem continuou sendo publicado, desenhado pelos ilustradores Getulio Delphim e Zé Geraldo (José Geraldo Barreto) durante dois anos. Colaboradores da editora na revista Charlie Chan, assinavam "Equipe do Cruzeiro". Após esses dois anos, o cartunista Carlos Estevão passou a desenhar o personagem, até 1972.


O Amigo da Onça pela "Equipe do Cruzeiro"

O Amigo da Onça por Carlos Estevão.


Em 1989 o cartunista Jal (José Alberto Lovetro), com a concordância da Angélica Braga Guimarães, viúva do criador e detentora dos direitos sobre o personagem, retomou a série na revista Semanário da editora Azul, com desenhos de Octávio Cariello.



O Amigo da Onça por Jal e Cariello.


Em seguida Jal propôs o personagem em formato de tiras diárias em parceria com os desenhistas Caco (Carlos Cesar Leal Xavier) e Sergio Morettini (Sergio Raul Morettini) e outros desenhistas. As tiras perduraram por toda a década de 1990 e foram publicadas em diversos jornais como o Hoje em Dia de Belo Horizonte (MG) e A Tribuna de Vitória (ES).


O Amigo da Onça por Jal Caco.

O Amigo da Onça teve pelo menos dois livros publicados pela própria editora O Cruzeiro em 1961 e 1972, um livro publicado pela editora Busca Vida em 1987, uma revista publicada pela editora Parma na década de 1980 e parte das tiras diárias foram reunidas em uma revista lançada pela editora Nova Sampa na década de 1990.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Os Implacáveis - Placar - 1985



Lançada na revista esportiva Placar em 1985, Os Implacáveis era uma série sobre futebol criada por Luiz Gê.

Com um humor afiado a tira dava a sua visão sobre o mundo do futebol.

Entre os personagens estavam: Kika, o morrinho artilheiro; o técnico Zé Galo; o jogador Bambinha Bambino e o reserva Banks.



terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Os Ovonautas - Folha de São Paulo - 1979


Léa Corrêa Pinto é artista plástica e ativista ambiental. Em 1978 lançou a série Os Ovonautas tratando de temas ecológicos. 

Durante esse período, final dos anos 1970 e início dos anos 1980, investiu bastante nos personagens, criando peças teatrais, livros ilustrados, discos com temas musicais e a série em quadrinhos propriamente dita, que foi publicada no suplemento Folhinha da Folha de São Paulo

Participavam das tiras os personagens Dourado, Chamaska, Puminha, Dorinha, Vito, Violeta, Rosa e Ross, sempre em temas ligados à natureza.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

O Hebreuzinho - O Hebreu - 1985



Publicado na sessão Rindo da revista O Hebreu, o Hebreuzinho comentava com humor o cenário político econômico dos anos 1980.

Muitas vezes o personagem não interagia na cena, sendo apenas espectador do que ocorria.

O Hebreuzinho foi criado por Reinaldo Waisman, redator dos estúdios Maurício de Souza por muitos anos e que posteriormente associou-se à apresentadora Xuxa, participando da parte artístico-visual de seus programas, tendo inclusive sido o criador de uma das versões da boneca Xuxinha e de vários personagens que interagiam com a artista.